Pedido de Chiquinho Telles para que Auxílio Emergencial seja pago por mais bancos ganha reforço do MPF

A iniciativa do Ministério Público Federal (MPF) de ingressar com ação na Justiça Federal para obrigar a União a disponibilizar saque do auxílio emergencial em Mato Grosso do Sul por outras instituições bancárias reforça o pedido feito pelo líder do prefeito na Câmara Municipal, vereador Chiquinho Telles (PSD). 

Por meio de ofícios encaminhados durante sessão ordinária do último dia 5, o Parlamentar mobilizou a Bancada Federal e senadores de MS no sentido de alinharem o Ministério da Cidadania, Banco Central do Brasil, Caixa Econômica Federal (CEF) e outros grandes bancos físicos do País, para que as próximas parcelas do Auxílio Emergencial, das pessoas sem contas bancárias indicadas para depósitos, sejam divididas entre as demais agências.

O MPF compartilha da mesma preocupação manifestada pelo Vereador, que é acabar com as quilométricas filas que se formam em frente às agências da Caixa Econômica Federal. Em aparte feito durante sessão, Chiquinho Telles argumentou que uma única instituição bancária não consegue atender tanta gente, e além de sacrificar os cidadãos com uma espera interminável, coloca a saúde de todos em risco com as aglomerações.

Em defesa dos mesmos argumentos declarados pelo Vereador, o MPF protocolou ação, com pedido liminar, por meio da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão e pede que a permissão seja concedida no prazo de 10 dias. Foi solicitado que o saque possa ser feito em qualquer instituição bancária. Foi apontada como segunda opção, que o saque seja ampliado ao menos para o Banco do Brasil, dividindo assim a demanda.

Da mesma forma que Chiquinho Telles, o MPF chegou a questionar a CEF sobre a organização de filas e horários de funcionamento das agências durante o período da pandemia. “Em recente ofício enviado à Superintendência Regional da Caixa Econômica Federal, solicitei urgente realização de mutirão, inclusive com atendimento aos sábados e domingos. Mas cheguei à conclusão que um só banco não vai dar conta de atender tanta gente sem aglomerações”, lembrou.

Para Chiquinho Telles, “o atendimento por outras instituições bancárias é a saída para pôr fim ao sofrimento das pessoas que precisam receber esse dinheiro com rapidez”. Ele declarou que ficou muito satisfeito ao constatar que o MPF também defende a mesma ideia, tomando medidas eficazes para acabar com as longas filas em frente às agências da CEF no estado de MS.

O pedido para extensão do saque tramita na Justiça Federal de Campo Grande sob o nº 5003266-29.2020.4.03.6000.

Créditos Assessoria de Imprensa do Vereador